Racistas são as outras pessoas

A esmagadora maioria da população portuguesa não se considera racista; no entanto, mais de um quarto não permitiria que uma filha ou filho namorasse uma pessoa negra.

Os números são alarmantes: mesmo com uma maioria a assumir-se não racista, mais de 16% das pessoas inquiridas afirma que sim, é racista. Quando a questão se volta para os outros, 43.7% acredita que os portugueses são racistas contra 44.5% que respondeu que não o são.

À pergunta “aceitaria que o/a seu filho/a namorasse ou casasse com alguém negro?”, 26.1% respondeu que não aceitava o relacionamento – ainda que 72.9% dxs inquiridxs não se considere racista. “Mas…”, acrescentaríamos.

“Chego à conclusão que a maioria é racista”, comenta Bernardo D’Almeida Lima, membro da direção da API, acrescentando: “É bom que Portugal veja que o colonialismo ainda está presente na atitude das pessoas brancas perante as pessoas negras. É bom que estes números estejam por aí. Se bem que tenho a noção de que a maioria não irá perceber a gravidade dos números apresentados”.

Os números são de um estudo promovido para lançar o debate à luz do primeiro episódio do programa “E Se Fosse Consigo?”, a estrear esta noite em simultâneo na SIC e na SIC Notícias. O episódio debruça-se precisamente sobre o racismo, com a cena ficcionada de uma filha a apresentar ao pai o namorado, negro. “E Se Fosse Consigo?” vai, assim, registar e mostrar as reações das pessoas em redor à encenação dos atores envolvidos.

Advertisements

About the post

ATUALIDADES

One Comment

Add yours →

  1. Os resultados desse inquérito não me surpreendem minimamente… desconfiaria, até, se fossem muito diferentes. Penso que talvez o nosso problema é existir muito racismo «passivo», uma expressão que uso para designar pessoas que jamais sairiam à rua em marchas racistas ou que exprimiriam o seu racismo de forma violenta e pública, mas depois, se se trata de terem de enfrentar este tipo de situações, rapidamente se apercebe do que pensam na realidade…

    Mas os 16% que se consideram racistas é realmente preocupante. Entre eles conto (infelizmente) o meu pai, mas agora que há um ano e tal que tem apoio domiciliário em casa, com pessoas de origem africana, vejo que lhe está a «passar» um pouco do racismo, pelo menos do racismo activo. Afinal de contas, uma das origens do racismo é o desconhecimento profundo do «outro». Quando lidamos com as outras pessoas numa base diária, e vemos que são exactamente iguais a nós, desaparecem os racismos ou a xenofobia…

    Espero que o programa, para além do racismo, também aborde a questão trans. Tenho um exemplo concreto de uma pessoa que suspeito seriamente que seja uma «passivamente» transfóbica, a minha sogra; quando está em casa a ver televisão, e vê o show da Caitlyn Jenner, e a forma como muitas organizações LGBT ajudam pessoas trans* (e crianças trans*) a viverem a sua vida, a minha sogra é toda a favor, afirma-se 100% de espírito aberto e tolerante. Mas tanto a filha dela como eu suspeitamos fortemente que se eu me «revelasse» como transgénero, nunca mais seria bem-vinda em casa dela. Veremos. Mas como a minha sogra há imensa gente com educação, abertamente liberais, mas que, no fundo, no fundo, se lhes acontece «a elas», as coisas são bem diferentes…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: